Está obrigando

Eu realmente preciso de ajuda.

2020.11.20 19:50 ilikecandyaf Eu realmente preciso de ajuda.

oi pessoal, entendo que vocês podem ver esse tipo de post todos os dias no reddit, mas hoje eu me senti confortável para fazer este post, Bom, Meu nome é João e estou em uma situação complicada, meus pais são separados e geralmente todo final de ano passo o final de ano na casa do meu pai (cujo tem uma qualidade de vida 100 vezes melhor que minha mãe) Neste mês não foi diferente, ele me chamou para passar o fim de ano e eu aceitei, porém ele está me obrigando a ficar aqui, mesmo eu relutando para não ficar sou menor de idade e ele me humilha todos os dias por pelo menos 4 horas, me chamando de pobre, preto, burro e sem educação mesmo eu sempre o respeitando, ele reparou que eu andava mal e tirou a manga da minha blusa, sim eu tinha começado a me automutila, ele ficou extremamente bravo comigo e me espancou, me deu cerca de 4 ou 5 socos no rosto, 4 tapas na cara e 1 cabeçada (lembrando sou menor de idade) e falou coisas como "A sua única escolha é se matar, pois para casa você não ira voltar, e mesmo se for, nunca mais irei te visitar" e só parou quando comecei a sangrar, após tudo isso acontecer ainda estou preso em um estado diferente do meu e pensando seriamente que suicidio não seria uma escolha radical, estou a cada dia ficando pior e sinto que irei acabar fazendo o pior para mim mesmo.
submitted by ilikecandyaf to desabafos [link] [comments]


2020.11.09 13:04 Ciiizan gerador de "clãs" que fiz, usando algumas coisas da tabela do pato. feito pra sempre ter pelo menos um aglomeradinho em algum lugar nos meus mundos.

 gerador de grupos 
"classe" do grupo(1d8)
  1. "arruaceiros"
  2. cavalaria
  3. barbaros
  4. aventureiros
  5. cidadões
  6. comerciantes parrudos
  7. magos


os lideres são x pessoas(1d8)
1~3. x=1
4~5. x=2
  1. x=3
7~8. x=re-role e adicione +1(acomulativo)


os lideres são(1d4)
  1. boa parte tiranos, pelo menos um neutro
  2. boa parte neutro, 1 tirano
  3. 1 deles é carinhoso com sua trupe, o outro é tirano
  4. todos veem os membros como recursos: querem preservar perdas o maximo possivel, mas n se importam de ter que sacrificar alguns.
*caso só tenha 1, a primeira descrição é a dele.


os liderados são x pessoas (3d6)
x=resultado. caso o resultado seja o maximo, re-role e adicione com as rolagens que vc rolou nessa parte.


a maioria dos membros são da raça(1d20)
1~7. humanos
8~10. elfos
  1. gnomos
  2. goblins
13~16. orcs
  1. dragões-fada
18~20. anões


o grupo tem como "Q.G." (1d20+1d6)
  1. em um vilarejo pacato
  2. umas ruínas abandonadas proximas a um lugarejo
  3. sempre a mesma mesa de uma taverna barulhenta e mal-falada de uma cidade de tamanho mediano
  4. uma Fortaleza com forças armadas meio fracas
  5. uma torre, no meio de um pantano
  6. uma casa de banho estilo daquelas de anime
  7. uma Biblioteca que muita pouca gente visita
9~14. estão constantimente mudando de cidade, aonde ficam por 1 mes, ou um pouco mais, e partem novamente.
15~19. estão constantemente vagando por ai. seja por flerestas, vilas, metropoles, ruinas ou oceanos. normalmente não ficam mais que 1 semana parados.
  1. estão constantemente vagando por ai, sempre procurando uma taverna com uma cerveja boa, e ficam no assentamento até se enjoarem dela, o que pode levar algum tempo.
  2. Uma pequena clareira cheia de flores que exalam um odor forte
  3. O esqueleto de uma criatura colossal soterrado com varias arvores que cresceram em meio a ossada cheia de musgo
23~26. estão constantimente mudando de cidade, aonde ficam por uma estação inteira, e partem novamente.


o grupo foi criado há (2d4)
  1. agorinha mesmo. vc acaba de presenciar a criação do grupo.
  2. 90 anos
  3. 10 anos
  4. alguns meses
  5. 50 anos
  6. exatamente 1 ano. enclusive, eles estão comemorando a criação do grupo agora mesmo.
  7. a muitos milenios.


o grupo foi unido por uma das seguintes calsas: (1d2)
  1. se juntaram por serem os unicos do local que tem um concentimento entre eles
  2. uma trajedia aconteceu com eles, obrigando-os a juntar forças
  3. foram agrupados pra uma missão

*especificando concentimento: (1d10)
  1. Arte é algo muito apreciado e está incorporado em tudo deles, desde ornamentos até o modo de trabalhar
  2. Elfos são considerados sinal de mal presságio e são sempre tratados com desdem
  3. Acreditam que seus antepassados os protegem e guiam atráves de suas armas e ferramentas
  4. Fazem tudo brutalmente, desde comer até comprimentar e falar. Bebem como barbaros
  5. Andar por ai armado ou de armadura não é atitude de cidadão de bem
  6. Magias arcanas e seu praticantes são vistos como uma afronta a seus deuses e sua crença
  7. O fogo é algo sagrado e há sempre um pequeno ritual antes de acender qualquer coisa
  8. É comum ser acomodado e conformado. Reclamam sobre a coisas que os aflingem, mas dificilmente fazem algo a respeito
  9. O combate desarmado é parte vital da cultura deles. Todo seu estilo de vida gira em torno disso
  10. um dragão é adimirado como simbolo de grande poder

*especificando trajedia: (1d10)
  1. um dragão está destruindo/destruiu a cidade natal deles
  2. ocultistas, para alimentar as crias de sua deusa, roubaram objetos valiosos deles
  3. uma criatura colossal maritima os atacou e trucidou a todos. eles ficaram vivos por pouco.
  4. Uma bruxa da noite assola a mente deles com pesadelos assombrosos
  5. um brother poderoso mudou-se para cidade trazendo inimigos arruaceiros que eles nçao gostam
  6. um lobisomen vegano que a noite come/comeu platanções inteiras deles
  7. Uma magia fracassada faz todos perderem a memoria
  8. Selvagens sequestram pessoas para comer a mando de seu lider. eles são sobreviventes que escaparam
  9. eles faziam parte de um grande reino que foi detruido por completo. so eles sobraram
  10. um mago os amaldiçoou, os fazendo incapaz de comer qualquer coisa que não seja mingal de aveia

*especificando missão: (1d6)
  1. Frequentemente um nobre organiza uma corrida de bestas perigosas pelo acentamento em que estão. eles são os guardas-costas
  2. os lideres são mentores em uma viagem-ensino, eles estão ensinando os membros do grupo sobre algo
  3. Um dragão constantemente sobrevoa por ai. eles estão esperando o momento em que ele pousará para ataca-lo. mas parece que o dragão não se cança facil.
  4. eles são antigos piratas, que estão em busca de dinheiro pra comprar um barco bem grande
  5. eles estão em busca de uma espada divina e poderoza. aquele que encontra-la, será o novo rei da terra natal deles
  6. eles estão em busca do sangue de um unicornio


"alinhamento" geral do grupo(1d6)
  1. ordeiros: eles são amigaveis com os cidadoes, mas não com aventureiros
  2. birutas: gostam de causar badernah
  3. bondosos: são pacifistas(quanto a pessoas) e evitaram briga sempre
  4. obscuros: tentam evitar chamar atenção, mas certamente não são pessoas de boa intenção.
  5. herois: são destemidos, e sempre iram fazer de tudo pra praticar atos de heroismo. quem sabe até um pouco de mais.
  6. insípidos: pra eles, todas as outras pessoas não são importantes. ignoram a tudo e a todos, como se nem etivessem ali.


o grupo é conhecido como: (2d6) *todas as lacunas que ainda não foram definidas são expecificadas em tabelas mais a baixo
  1. os [raça] [alinhamento]
  2. a trupe dos [classe] [alinhamento]
  3. alguma coisa que faça referencia ao motivo de estarem juntos. ex: os caça-dragão
  4. os [objeto] [animal]
  5. os [raça] [cor]
  6. os [animal] [cor]
  7. a gangue dos [numeros de membros] [alinhamento]
  8. panelinha dos [classe] [cor]
  9. os [objeto] de [animal]
  10. os [objeto]-[cor]
  11. os [numeros de membros] [classe] do barulho

*especificando cor (1d10)
  1. turquesa
  2. carmesim
  3. verde
  4. vermelho
  5. cinza
  6. bege
  7. Ciano
  8. Dourado
  9. amarelo
  10. laranja

*especificando objeto (1d8)
  1. anel
  2. capa
  3. capacete
  4. escudo
  5. espada
  6. colar
  7. pedra
  8. armadura

*especificando animal(1d6
  1. capivara
  2. morcego
  3. aranha
  4. borboleta
  5. trige
  6. javali

fim :)
submitted by Ciiizan to patopapao [link] [comments]


2020.11.08 19:49 luscafrigerio "Não existe preconceito contra ateus"

(Não tenho a menor intenção de humilhar meu filho que fique claro) E outra coisa, independente de religião, o respeito tem que prevalecer, meu filho perdeu o direito a dignidade!... Esse é o resultado semanal da intolerância de uma professora que insiste em humilhar o filho de um ateu, ele tem apenas 6 anos e não consegue segurar tanto tempo a vontade de urinar, insiste pra que ela o deixe sair para ir ao banheiro, mas ela diz a ele que faça nas calças que ela não liga. Por que falo com tanta certeza, por que essa merda toda começou depois que mandei um bilhete pedindo educadamente a ela que não o doutrinasse, mandando que ele escreva "deus é amor" no caderno e o obrigando a rezar todos os dias e nada do tipo, enfatizando que a escola era pública e o estado laico não permitia esse tipo de prática já que ia contra tudo o que eu ensino a meu filho.. Não é a primeira vez que busco meu filho todo mijado na escola, ele anda revoltado e todo aquele amor puro que ele tinha pela professora virou revolta, ele tem feito na cama tambem, as vezes duas, até tre vezes na mesma noite, tem relatado ver sombras pelo quarto e na janela depois que a outra professora (a de inglês) disse que o "demônio existe sim" que puxaria seus pés a noite, e ficou muito mais sensível e abatido depois que a professora de classe pegou no queixo dele dizendo grosseiramente que ele precisava ter deus no coração e que ele nunca seria nada sem deus... Isso é pra vcs entenderem o motivo dessa insistência que nós ateus temos em mostrar o nosso lado, somos adeptos a verdade, ao amor ao próximo, servimos a responsabilidade de nossos atos e passamos isso aos nossos filhos, sabemos ser pais amorosos, respeitosos e dar bons exemplos... Acreditamos que ameaçar crianças com danação infernal não seja uma boa maneira de se criar uma criança! Porem não nos metemos no direito de outros pais fazerem isso. Meu filho era doce e extremamente educado antes desses ocorridos, quem o conhece sabe, ele expressa gratidão até com a tia da merenda com abraços, hoje ele está mais frio e desconfiado, enquanto tem alunos na sala dele que até batem na professora, e roubam tanto ele quanto outros alunos constantemente sem punição, ele vive esse drama dia após dia... Sim, já falei com minha advogada, mas a primeira coisa que ela me mandou fazer é tirar meu filho da escola, mas pera aí, ele vai ser ainda mais prejudicado? O que mais ele precisa passar... Tudo isso por que eu não enfio ele semanalmente dentro de uma igreja cheia de gente gritando e pulando desordenadamente, não tenho preconceito com pessoas, tenho preconceito com essas doutrinas que fazem pessoas agirem assim, que fique claro.. Continuarei expondo meus pensamentos e convicções aqui e onde eu bem entender até que seja necessário, da mesma forma que quem é religioso o faz, tambem por que o direito é o mesmo para todos, não é mesmo! Terei uma reunião definitiva hoje com a direção da escola e ver se consigo proporcionar um final de ano letivo digno ao meu filho que aliás é um ótimo aluno. (desculpem pelo desabafo) ... É triste viver num país preconceituoso onde nos obrigam a ter rótulos, como se fossem atestados de boa conduta, quando os tais rotulados não são exemplos pra ninguem. (Quero deixar bem claro que a direção da escola se prontificou a resolver o problema da melhor forma possível e ficou estarrecida com o ocorrido, meu problema é mesmo com a professora de sala e a de inglês que foi quem ameaçou meu filho dizendo que o demônio puxaria o pé dele a noite)
Ps: o texto Nao é meu, mas fiquei revoltado e gostaria de compartilhar com vocês
submitted by luscafrigerio to desabafos [link] [comments]


2020.11.08 02:41 futebolstats São Paulo vence Goiás de virada e encosta nos líderes do Brasileirão

Mesmo tomando um susto no primeiro tempo, o São Paulo venceu o Goiás de virada por 2 a 1, no Morumbi e mostrou que está firme na luta pelo título do Campeonato Brasileiro. Com o resultado, o Tricolor chegou a 33 pontos, dois a menos que Flamengo e Internacional, que ainda entram em campo nesta rodada, mas que têm dois jogos a mais que a equipe paulista. O Goiás segue na lanterna da competição, com apenas 12 pontos conquistados em 18 partidas.
O São Paulo começou o jogo pressionando o Goiás e só não abriu o placar no início do confronto porque o goleiro Tadeu estava em noite inspirada. Logo aos 7 minutos, Igor Gomes chutou de longe, obrigando o arqueiro alviverde a fazer bela defesa e colocar para escanteio. Na cobrança, Luciano quase marcou, mas finalizou para fora. Dez minutos depois, o atacante deu passe açucarado para Juanfran que tentou o cruzamento, mas Tadeu, com os pés, salvou o gol do time da casa.
No primeiro ataque organizado do Goiás, veio o gol. Vinícius e Fernandão tabelaram, Tiago Volpi e Bruno Alves se atrapalharam e a bola sobrou para o próprio Fernandão, que marcou o primeiro da partida. Não demorou muito e o São Paulo conseguiu o empate. Juanfran cruzou para Brenner cabecear. Tadeu fez a defesa e ficou a dúvida se a bola teria ultrapassado a linha do gol. A arbitragem, com o auxílio do VAR, entendeu que sim e validou. Tudo igual no Morumbi: 1 a 1.
Após igualar o placar, o Tricolor paulista continuou melhor e encurralou o Goiás em seu campo de defesa. A virada só não ocorreu no primeiro tempo porque Tadeu, novamente, impediu. Aos 36 minutos, Brenner arriscou uma bomba de perna esquerda e o goleiro fez uma grande defesa, jogando para escanteio.
Relato, ficha técnica e mais imagens da vitória são-paulina neste sábado, no Morumbi https://t.co/5ngDI7JCPX#VamosSãoPaulopic.twitter.com/BcDO1OToC2
— São Paulo FC (@SaoPauloFC) November 8, 2020
A segunda etapa começou da mesma forma que a primeira, com o São Paulo parando em Tadeu. Oito minutos de bola rolando, Reinaldo chutou forte, e o goleiro salvou o Esmeraldino. Aos poucos, o Goiás foi encontrando espaços e passou a ameaçar o time da casa.
Aos 17 minutos, Fernandão completou cruzamento de Caju e a bola passou perto da meta Tricolor. Quatro minutos depois, o atacante finalizou novamente de cabeça, obrigando Tiago Volpi a fazer um milagre para evitar o gol. O São Paulo respondeu aos 29 minutos, com Hernanes cobrando falta, mas Tadeu não teve problemas para defender.
A virada tricolor veio aos 33 minutos. Após lançamento do campo de defesa, Heron afastou mal e a bola sobrou para Igor Gomes. Ele matou no peito e chutou de perna direita, no cantinho do goleiro Tadeu, para fazer o segundo. O Goiás chegou a empatar o jogo logo depois, com um gol de Rafael Moura, mas o atacante estava em posição impedido e o árbitro anulou o lance. No fim do jogo, o volante Breno, da equipe goiana, recebeu o segundo cartão amarelo por falta em Tiago Volpi e foi expulso.
Na próxima rodada, o Goiás recebe o Athletico-PR no sábado (14), às 17h (horário de Brasília), no Estádio da Serrinha, em Goiânia. O São Paulo pega o Fortaleza no mesmo dia, às 19h, no Castelão, na capital cearense.
Confira a tabela de classificação da Série A do Campeonato Brasileiro.
O post São Paulo vence Goiás de virada e encosta nos líderes do Brasileirão apareceu primeiro em Futebol Stats.
from Futebol Stats https://bit.ly/3paGRvW
via IFTTT
submitted by futebolstats to SiteFutebolStats [link] [comments]


2020.08.26 16:13 PepeticGamer História do Pepetic

Pepetic a muito tempo atrás estava navegando pela web em um mundo chamado Terra. Ele estava com tédio, pois não havia nada oque fazer. Então ele entrou em uma pagina chamada Twitch e achou uma moça que estava disponibilizando um servidor de "Minecraft", uma luz apareceu em sua frente obrigando-o a fechar os olhos, quando ele abre os olhos se depara com um mundo incrivel chamado "CatCastle", no primeiro dia de jogo perdeu seu kit de iniciante, mas ele não desistiu, ele passou dia dia fazendo um lugar chamado de "Reino", lá ele fez um clan chamado "TheCrows" e conheceu ótimas pessoas, dentre elas: Kokoro-chan que arecem havia entrado no server e no clan, mateus, profissacraft, e pikape seu irmão. Ele ficou muito feliz com seus novos amigos mas todos eles acabaram indo embora aos poucos, primeiro a kokoro, depois o mateus, depois o pikape, e assim todos se foram e Pepetic ficou sozinho e triste. Mas ele não desistiu, ele fez outras casas e mesmo sozinho conseguiu ganhar bons itens. Depois de um tempo ele conheceu uma pessoa muito legal enquanto procurava alguém para encantar sua picareta, isso mesmo, Crowley, ele me aceitou em seu clan e me ajudou a fazer amigos, além de me dar varios itens e um SubPrime, eu devo muito a ele. Fiz vários amigos no clan, dentre eles: Jojo, Mayer, o Crowley e Jazz. Depois da grande explosão que fez nosso mundo explodir e resetar, depois do reset Pepetic fez uma loja, uma casa, e agora está ajudando seus amigos a construir a base do nosso clan.
Obrigado por ler <3
submitted by PepeticGamer to maygabioficial [link] [comments]


2020.07.31 07:56 Zagoberto Me sinto um peso na família

Bom, o título já diz tudo. Nos últimos 3 anos, eu venho me sentindo um peso desnecessário e indesejável na família. Tenho uma certa dificuldade de fazer as coisas importantes (ou pelo menos o que meus pais consideram importante). Sempre tive condições boas de vida: estudei minha vida toda em escola particular, nunca precisei usar transporte público e sempre pude comprar jogos em lançamento. Porém, quanto mais tempo se passa, cada vez sinto que incomodo minha família.
Depois deles terem aceito minha ideia de me transferir para São Paulo, percebi que sempre que falava com meus pais, era pra falar sobre comprar alguma coisa ou pagar algum boleto. Sempre que pergunto sobre isso, além da vergonha gigantesca, sinto um peso enorme, como se eu estivesse obrigando eles. As vezes acontece uma conversa sobre outro assunto, e sempre que acontecia, o assunto morria rapidamente. Isso é muito um "white girl problem", porém me deixa desconfortável de um jeito inexplicável. Chega ao ponto de começar a pensar deles acharem que estou usando eles e que não amo eles.
Vejo meu irmão vivendo normalmente, quase nunca ele pergunta sobre essas coisas. Acabou de ter uma pesquisa aprovada pelo INPA que será bancada pelo Governo Federal, e eu ainda tô pensando o que fazer da minha vida. Não me levem a mal, estou super feliz pelo meu irmão, pois está realizando seu sonho. Sei que cada um tem seu tempo, mas sei lá, ainda me sinto atrasado.
Desculpa se este post é de alguma maneira cringe. Este o único lugar que me sinto confortável de falar sobre isso.
submitted by Zagoberto to desabafos [link] [comments]


2020.07.28 00:48 aquele_inconveniente Pedido de união: Vamos salvar o r/Portugal

Preâmbulo
O reddit português é curiosamente uma réplica caricata e em miniatura do mundo real. Não farei esta publicação escondido sob uma throwaway porque se peço transparência também tenho de o exigir a mim, ainda que possa trazer consequências.
À data desta publicação existe dois conceitos no reddit, o de "Portugueses", presente neste sub e o de "Portugal", latente no que se apelida como tal.
Tal como na vida real Portugal está entregue a uma quadrilha que tomou conta dele.Julgam-se acima dos Portugueses pois os donos de Portugal são a quadrilha e não os Portugueses.Julgam-se acima porque saibam que ordenam como e quando quiserem, que fazem e desfazem, que a prestação de de contas é feita de baixo para cima e não de cima para baixo.
Tal como na vida real houve um grupo que chegou primeiro e colocou a sua bandeira obrigando os restantes a obedecer e a calar. Assim como a Constituição que nos governo foi imposta aos portugueses sem plesbicito, também as regras do Portugal foi imposta aos portugueses por quem chegou primeiro e usurpou Portugal.
Tal como Portugal já pouco ou nada pertence aos Portugueses, também o Portugal não pertence aos Portugueses.
Tal como na vida real os Portugueses acreditam em igualdade e na liberdade de expressão. Os Portugueses, aquele povo pioneiro em tradições democráticas, que quando na Europa reinava o feudalismo tinha eleições abertas e livres nos seus concelhos, onde no concelho de Bragança, desde o século XII, se discutia a política de janelas abertas para que o povo ouvisse o que se dizia e quem o dizia para.Os Portugueses, aquele povo pioneiro na entre-ajuda, que quando na Europa reinava o salve-se quem puder, instalaram uma rede de apoio social espalhada por todo o seu Império para ajudar qualquer Português que não tivesse meios. Rede que sobreviveu até hoje apesar de ter perdido a relevância por novos e melhores mecanismos de equidade, a Santa Casa da Misericórdia.
Apesar de acreditarem em igualdade e na liberdade de expressão, infelizmente, os Portugueses vivem em Portugal. Como tal são vitimas de um sistema que aumenta os fossos entre barricadas, que trata de forma diferente amigos e inimigos do regime, e acima de tudo, são impedidos de exercerem a liberdade de expressão.O paralelismo é triste, mas tal como na vida real, assim o é no Reddit.

Chamada à Acção

Portugueses, acordai!
Portugal precisa de nós.
Portugal é um nome sagrado, o nome da nossa Pátria, do nosso Povo, da nossa Nação quase milenar.
Portugal tem de ser salvo e recuperado dos seus usurpadores. Portugal não pode ter o seu nome na lama por depender de ditadores arbitrários que colocam os seus interesses e ideologias pessoais à frente de si.
Portugal pertence aos Portugueses e é neles que existe a soberania e a legitimidade.
Peço o apoio para que se comece um movimento que procure o seguinte:
  1. Implementar um sistema democrático de eleição dos moderadores do Portugal pela comunidade do sub. Este sistema pode ser algo simples como a cada x meses (2 por exemplo) poder haver uma votação para um os mods sair da moderação e outra para eleger um membro da comunidade a mod.
  2. Garantir transparência na moderação, com um modmail público assim como "actas" de qualquer deliberação que tenha sido feita pela moderação na forma de conduzir o fórum ou de aplicar as sua regras
  3. Permitir à comunidade um parecer nas regras do sub para que estas reflictam aquilo que os Portugueses querem que Portugal seja
Para iniciar este movimento sugiro as seguintes fases:
  1. Declaração de apoio nos comentários desta publicação para que seja visível (PMs para mim não seriam transparentes) e partilha da publicação a fóruns que julguem relevantes para os Portugueses
  2. Assinatura de uma petição formal de pedido aos mods para aceitação das exigências da comunidade. Caso a moderação do Portugal seja adepta de valores democráticos estou certo que poderá haver uma solução que dê prestação de contas aos mods e que possa devolver o discurso livre.
  3. Envio da petição aos admins a demonstrar o desagrado da comunidade com os mods e pedir que intervenham para proteger a plataforma. Este passo apenas é necessário na ausência de resposta pela moderação.
  4. Como solução final, espalhar a mensagem pela web e reformular um sub com esta forma de moderação e deixar que a liberdade de expressão e a sensibilização deste movimento permite o êxodo gradual de Portugal para outro sub (tal como fazemos com a emigração...). Esse Êxodo pode depois ser usado para criar pressão para a recuperação do sub original ou então deixado para morrer e dar pelo menos uma nova terra para os Portugueses serem livres.

Quem está comigo?

submitted by aquele_inconveniente to portugueses [link] [comments]


2020.07.23 10:09 diplohora Mes estudos para o CACD - Bruno Pereira Rezende

Livro do diplomata Bruno Pereira Rezende
INTRODUÇÃO
📷📷Desde quando comecei os estudos para o Concurso de Admissão à Carreira de Diplomata (CACD), li dezenas de recomendações de leituras, de guias de estudos extraoficiais, de dicas sobre o concurso, sobre cursinhos preparatórios etc. Sem dúvida, ter acesso a tantas informações úteis, vindas de diversas fontes, foi fundamental para que eu pudesse fazer algumas escolhas certas em minha preparação, depois de algumas vacilações iniciais. Mesmo assim, além de a maioria das informações ter sido conseguida de maneira dispersa, muitos foram os erros que acho que eu poderia haver evitado. Por isso, achei que poderia ser útil reunir essas informações que coletei, adicionando um pouco de minha experiência com os estudos preparatórios para o CACD neste documento.
Além disso, muitas pessoas, entre conhecidos e desconhecidos, já vieram me pedir sugestões de leituras, de métodos de estudo, de cursinhos preparatórios etc., e percebi que, ainda que sempre houvesse alguma diferenciação entre as respostas, eu acabava repetindo muitas coisas. É justamente isso o que me motivou a escrever este documento – que, por não ser (nem pretender ser) um guia, um manual ou qualquer coisa do tipo, não sei bem como chamá-lo, então fica como “documento” mesmo, um relato de minhas experiências de estudos para o CACD. Espero que possa ajudar os interessados a encontrar, ao menos, uma luz inicial para que não fiquem tão perdidos nos estudos e na preparação para o concurso.
Não custa lembrar que este documento representa, obviamente, apenas a opinião pessoal do autor, sem qualquer vínculo com o Ministério das Relações Exteriores, com o Instituto Rio Branco ou com o governo brasileiro. Como já disse, também não pretendo que seja uma espécie de guia infalível para passar no concurso. Além disso, o concurso tem sofrido modificações frequentes nos últimos anos, então pode ser que algumas coisas do que você lerá a seguir fiquem ultrapassadas daqui a um ou dois concursos. De todo modo, algumas coisas são básicas e podem ser aplicadas a qualquer situação de prova que vier a aparecer no CACD, e é necessário ter o discernimento necessário para aplicar algumas coisas do que falarei aqui a determinados contextos. Caso você tenha dúvidas, sugestões ou críticas, fique à vontade e envie-as para [[email protected] ](mailto:[email protected])(se, por acaso, você tiver outro email meu, prefiro que envie para este, pois, assim, recebo tudo mais organizado em meu Gmail). Se tiver comentários ou correções acerca deste material, peço, por favor, que também envie para esse email, para que eu possa incluir tais sugestões em futura revisão do documento.
Além desta breve introdução e de uma também brevíssima conclusão, este documento tem quatro partes. Na primeira, trato, rapidamente, da carreira de Diplomata: o que faz, quanto ganha, como vai para o exterior etc. É mais uma descrição bem ampla e rápida, apenas para situar quem, porventura, estiver um pouco mais perdido. Se não estiver interessado, pode pular para as partes seguintes, se qualquer prejuízo para seu bom entendimento. Na segunda parte, trato do concurso: como funciona, quais são os pré-requisitos para ser diplomata, quais são as fases do concurso etc. Mais uma vez, se não interessar, pule direto para a parte seguinte. Na parte três, falo sobre a preparação para o concurso (antes e durante), com indicações de cursinhos, de professores particulares etc. Por fim, na quarta parte, enumero algumas sugestões de leituras (tanto próprias quanto coletadas de diversas fontes), com as devidas considerações pessoais sobre cada uma. Antes de tudo, antecipo que não pretendo exaurir toda a bibliografia necessária para a aprovação, afinal, a cada ano, o concurso cobra alguns temas específicos. O que fiz foi uma lista de obras que auxiliaram em minha preparação (e, além disso, também enumerei muitas sugestões que recebi, mas não tive tempo ou vontade de ler – o que também significa que, por mais interessante que seja, você não terá tempo de ler tudo o que lhe recomendam por aí, o que torna necessário é necessário fazer algumas escolhas; minha intenção é auxiliá-lo nesse sentido, na medida do possível).
Este documento é de uso público e livre, com reprodução parcial ou integral autorizada, desde que citada a fonte. Sem mais, passemos ao que interessa.
Parte I – A Carreira de Diplomata
INTRODUÇÃO
Em primeiro lugar, rápida apresentação sobre mim. Meu nome é Bruno Rezende, tenho 22 anos e fui aprovado no Concurso de Admissão à Carreira de Diplomata (CACD) de 2011. Sou graduado em Relações Internacionais pela Universidade de Brasília (turma LXII, 2007-20110), e não tinha certeza de que queria diplomacia até o meio da universidade. Não sei dizer o que me fez escolher a diplomacia, não era um sonho de infância ou coisa do tipo, e não tenho familiares na carreira. Acho que me interessei por um conjunto de aspectos da carreira. Comecei a preparar-me para o CACD em meados de 2010, assunto tratado na Parte III, sobre a preparação para o concurso.
Para maiores informações sobre o Ministério das Relações Exteriores (MRE), sobre o Instituto Rio Branco (IRBr), sobre a vida de diplomata etc., você pode acessar os endereços:
- Página do MRE: http://www.itamaraty.gov.b
- Página do IRBr: http://www.institutoriobranco.mre.gov.bpt-b
- Canal do MRE no YouTube: http://www.youtube.com/mrebrasil/
- Blog “Jovens Diplomatas”: http://jovensdiplomatas.wordpress.com/
- Comunidade “Coisas da Diplomacia” no Orkut (como o Orkut está ultrapassado, procurei reunir todas as informações úteis sobre o concurso que encontrei por lá neste documento, para que vocês não tenham de entrar lá, para procurar essas informações):
http://www.orkut.com.bMain#Community?cmm=40073
- Comunidade “Instituto Rio Branco” no Facebook: http://www.facebook.com/groups/institutoriobranco/
Com certeza, há vários outros blogs (tanto sobre a carreira quanto sobre a vida de diplomata), mas não conheço muitos. Se tiver sugestões, favor enviá-las para [[email protected].](mailto:[email protected])
Além disso, na obra O Instituto Rio Branco e a Diplomacia Brasileira: um estudo de carreira e socialização (Ed. FGV, 2007), a autora Cristina Patriota de Moura relata aspectos importantes da vida diplomática daqueles que ingressam na carreira. Há muitas informações desatualizadas (principalmente com relação ao concurso), mas há algumas coisas interessantes sobre a carreira, e o livro é bem curto.
A DIPLOMACIA E O TRABALHO DO DIPLOMATA
Com a intensificação das relações internacionais contemporâneas e com as mudanças em curso no contexto internacional, a demanda de aprimoramento da cooperação entre povos e países tem conferido destaque à atuação da diplomacia. Como o senso comum pode indicar corretamente, o
diplomata é o funcionário público que lida com o auxílio à Presidência da República na formulação da política externa brasileira, com a condução das relações da República Federativa do Brasil com os demais países, com a representação brasileira nos fóruns e nas organizações internacionais de que o país faz parte e com o apoio aos cidadãos brasileiros residentes ou em trânsito no exterior. Isso todo mundo que quer fazer o concurso já sabe (assim espero).
Acho que existem certos mitos acerca da profissão de diplomata. Muitos acham que não irão mais pagar multa de trânsito, que não poderão ser presos, que nunca mais pegarão fila em aeroporto etc. Em primeiro lugar, não custa lembrar que as imunidades a que se referem as Convenções de Viena sobre Relações Diplomáticas e sobre Relações Consulares só se aplicam aos diplomatas no exterior (e nos países em que estão acreditados). No Brasil, os diplomatas são cidadãos como quaisquer outros. Além disso, imunidade não é sinônimo de impunidade, então não ache que as imunidades são as maiores vantagens da vida de um diplomata. O propósito das imunidades é apenas o de tornar possível o trabalho do diplomata no exterior, sem empecilhos mínimos que poderiam obstar o bom exercício da profissão. Isso não impede que diplomatas sejam revistados em aeroportos, precisem de vistos, possam ser julgados, no Brasil, por crimes cometidos no exterior etc.
Muitos também pensam que irão rodar o mundo em primeira classe, hospedar-se em palácios suntuosos, passear de iate de luxo no Mediterrâneo e comer caviar na cerimônia de casamento do príncipe do Reino Unido. Outros ainda acham que ficarão ricos, investirão todo o dinheiro que ganharem na Bovespa e, com três anos de carreira, já estarão próximos do segundo milhão. Se você quer ter tudo isso, você está no concurso errado, você precisa de um concurso não para diplomata, mas para marajá. Obviamente, não tenho experiência suficiente na carreira para dizer qualquer coisa, digo apenas o que já li e ouvi de diversos comentários por aí. É fato que há carreiras públicas com salários mais altos. Logo, se você tiver o sonho de ficar rico com o salário de servidor público, elas podem vir a ser mais úteis nesse sentido. Há não muito tempo, em 2006, a remuneração inicial do Terceiro-Secretário (cargo inicial da carreira de diplomata), no Brasil, era de R$ 4.615,53. Considerando que o custo de vida em Brasília é bastante alto, não dava para viver de maneira tão abastada, como alguns parecem pretender. É necessário, entretanto, notar que houve uma evolução significativa no aspecto salarial, nos últimos cinco anos (veja a seç~o seguinte, “Carreira e Salrios). De todo modo, já vi vários diplomatas com muitos anos de carreira dizerem: “se quiser ficar rico, procure outra profissão”. O salário atual ajuda, mas não deve ser sua única motivação.
H um texto ótimo disponível na internet: “O que é ser diplomata”, de César Bonamigo, que reproduzo a seguir.
O Curso Rio Branco, que frequentei em sua primeira edição, em 1998, pediu-me para escrever sobre o que é ser diplomata. Tarefa difícil, pois a mesma pergunta feita a diferentes diplomatas resultaria, seguramente, em respostas diferentes, umas mais glamourosas, outras menos, umas ressaltando as vantagens, outras as desvantagens, e não seria diferente se a pergunta tratasse de outra carreira qualquer. Em vez de falar de minhas impressões pessoais, portanto, tentarei, na medida do possível, reunir observações tidas como “senso comum” entre diplomatas da minha geraç~o.
Considero muito importante que o candidato ao Instituto Rio Branco se informe sobre a realidade da carreira diplomática, suas vantagens e desvantagens, e que dose suas expectativas de acordo. Uma expectativa bem dosada não gera desencanto nem frustração. A carreira oferece um pacote de coisas boas (como a oportunidade de conhecer o mundo, de atuar na área política e econômica, de conhecer gente interessante etc.) e outras não tão boas (uma certa dose de burocracia, de hierarquia e dificuldades no equacionamento da vida familiar). Cabe ao candidato inferir se esse pacote poderá ou não fazê-lo feliz.
O PAPEL DO DIPLOMATA
Para se compreender o papel do diplomata, vale recordar, inicialmente, que as grandes diretrizes da política externa são dadas pelo Presidente da República, eleito diretamente pelo voto popular, e pelo Ministro das Relações Exteriores, por ele designado. Os diplomatas são agentes políticos do Governo, encarregados da implementação dessa política externa. São também servidores públicos, cuja função, como diz o nome, é servir, tendo em conta sua especialização nos temas e funções diplomáticos.
Como se sabe, é função da diplomacia representar o Brasil perante a comunidade internacional. Por um lado, nenhum diplomata foi eleito pelo povo para falar em nome do Brasil. É importante ter em mente, portanto, que a legitimidade de sua ação deriva da legitimidade do Presidente da República, cujas orientações ele deve seguir. Por outro lado, os governos se passam e o corpo diplomático permanece, constituindo elemento importante de continuidade da política externa brasileira. É tarefa essencial do diplomata buscar identificar o “interesse nacional”. Em negociações internacionais, a diplomacia frequentemente precisa arbitrar entre interesses de diferentes setores da sociedade, não raro divergentes, e ponderar entre objetivos econômicos, políticos e estratégicos, com vistas a identificar os interesses maiores do Estado brasileiro.
Se, no plano externo, o Ministério das Relações Exteriores é a face do Brasil perante a comunidade de Estados e Organizações Internacionais, no plano interno, ele se relaciona com a Presidência da República, os demais Ministérios e órgãos da administração federal, o Congresso, o Poder Judiciário, os Estados e Municípios da Federação e, naturalmente, com a sociedade civil, por meio de Organizações Não Governamentais (ONGs), da Academia e de associações patronais e trabalhistas, sempre tendo em vista a identificação do interesse nacional.
O TRABALHO DO DIPLOMATA
Tradicionalmente, as funções da diplomacia são representar (o Estado brasileiro perante a comunidade internacional), negociar (defender os interesses brasileiros junto a essa comunidade) e informar (a Secretaria de Estado, em Brasília, sobre os temas de interesse brasileiro no mundo). São também funções da diplomacia brasileira a defesa dos interesses dos cidadãos brasileiros no exterior, o que é feito por meio da rede consular, e a promoção de interesses do País no exterior, tais como interesses econômico-comerciais, culturais, científicos e tecnológicos, entre outros.
No exercício dessas diferentes funções, o trabalho do diplomata poderá ser, igualmente, muito variado. Para começar, cerca de metade dos mil1 diplomatas que integram o Serviço Exterior atua no Brasil, e a outra metade nos Postos no exterior (Embaixadas, Missões, Consulados e Vice-Consulados). Em Brasília, o diplomata desempenha funções nas áreas política, econômica e administrativa, podendo cuidar de temas tão diversos quanto comércio internacional, integração regional (Mercosul), política bilateral (relacionamento do Brasil com outros países e blocos), direitos humanos, meio ambiente ou administração física e financeira do Ministério. Poderá atuar, ainda, no Cerimonial (organização dos encontros entre autoridades brasileiras e estrangeiras, no Brasil e no exterior) ou no relacionamento do Ministério com a sociedade (imprensa, Congresso, Estados e municípios, Academia, etc.).
No exterior, também, o trabalho dependerá do Posto em questão. As Embaixadas são representações do Estado brasileiro junto aos outros Estados, situadas sempre nas capitais, e desempenham as funções tradicionais da diplomacia (representar, negociar, informar), além de promoverem o Brasil junto a esses Estados. Os Consulados, Vice-Consulados e setores consulares de Embaixadas podem situar-se na capital do país ou em outra cidade onde haja uma comunidade brasileira expressiva. O trabalho nesses Postos é orientado à defesa dos interesses dos cidadãos brasileiros no exterior. Nos Postos multilaterais (ONU, OMC, FAO, UNESCO, UNICEF, OEA etc.), que podem ter natureza política, econômica ou estratégica, o trabalho envolve, normalmente, a representação e a negociação dos interesses nacionais.
O INGRESSO NA CARREIRA
A carreira diplomática se inicia, necessariamente, com a aprovação no concurso do Instituto Rio Branco (Informações sobre o concurso podem ser obtidas no site http://www2.mre.gov.birbindex.htm). Para isso, só conta a competência – e, talvez, a sorte – do candidato. Indicações políticas não ajudam.
AS REMOÇÕES
Após os dois anos de formação no IRBr , o diplomata trabalhará em Brasília por pelo menos um ano. Depois, iniciam-se ciclos de mudança para o exterior e retornos a Brasília. Normalmente, o diplomata vai para o exterior, onde fica três anos em um Posto, mais três anos em outro Posto, e retorna a Brasília, onde fica alguns anos, até o início de novo ciclo. Mas há espaço para flexibilidades. O diplomata poderá sair para fazer um Posto apenas, ou fazer três Postos seguidos antes de retornar a Brasília. Isso dependerá da conveniência pessoal de cada um. Ao final da carreira, o diplomata terá passado vários anos no exterior e vários no Brasil, e essa proporção dependerá essencialmente das escolhas feitas pelo próprio diplomata. Para evitar que alguns diplomatas fiquem sempre nos “melhores Postos” – um critério, aliás, muito relativo – e outros em Postos menos privilegiados, os Postos no exterior estão divididos em [quatro] categorias, [A, B, C e D], obedecendo a critérios não apenas de qualidade de vida, mas também geográficos, e é seguido um sistema de rodízio: após fazer um Posto C, por exemplo, o diplomata terá direito a fazer um Posto A [ou B], e após fazer um Posto A, terá que fazer um Posto [B, C ou D].
AS PROMOÇÕES
Ao tomar posse no Serviço Exterior, o candidato aprovado no concurso torna-se Terceiro-Secretário. É o primeiro degrau de uma escalada de promoções que inclui, ainda, Segundo-Secretário, Primeiro-
-Secretário, Conselheiro, Ministro de Segunda Classe (costuma-se dizer apenas “Ministro”) e Ministro de Primeira Classe (costuma-se dizer apenas “Embaixador”), nessa ordem. Exceto pela primeira promoção, de Terceiro para Segundo-Secretário, que se dá por tempo (quinze Terceiros Secretários são promovidos a cada semestre), todas as demais dependem do mérito, bem como da articulação política do diplomata. Nem todo diplomata chega a Embaixador. Cada vez mais, a competição na carreira é intensa e muitos ficam no meio do caminho. Mas, não se preocupem e também não se iludam: a felicidade não está no fim, mas ao longo do caminho!
DIRECIONAMENTO DA CARREIRA
Um questionamento frequente diz respeito à possibilidade de direcionamento da carreira para áreas específicas. É possível, sim, direcionar uma carreira para um tema (digamos, comércio internacional, direitos humanos, meio ambiente etc.) ou mesmo para uma região do mundo (como a Ásia, as Américas ou a África, por exemplo), mas isso não é um direito garantido e poderá não ser sempre possível. É preciso ter em mente que a carreira diplomática envolve aspectos políticos, econômicos e administrativos, e que existem funções a serem desempenhadas em postos multilaterais e bilaterais em todo o mundo, e n~o só nos países mais “interessantes”. Diplomatas est~o envolvidos em todas essas variantes e, ao longo de uma carreira, ainda que seja possível uma certa especialização, é provável que o diplomata, em algum momento, atue em áreas distintas daquela em que gostaria de se concentrar.
ASPECTOS PRÁTICOS E PESSOAIS
É claro que a vida é muito mais que promoções e remoções, e é inevitável que o candidato queira saber mais sobre a carreira que o papel do diplomata. Todos precisamos cuidar do nosso dinheiro, da saúde, da família, dos nossos interesses pessoais. Eu tentarei trazem um pouco de luz sobre esses aspectos.
DINHEIRO
Comecemos pelo dinheiro, que é assunto que interessa a todos. Em termos absolutos, os diplomatas ganham mais quando estão no exterior do que quando estão em Brasília. O salário no exterior, no entanto, é ajustado em função do custo de vida local, que é frequentemente maior que no Brasil. Ou seja, ganha-se mais, mas gasta-se mais. Se o diplomata conseguirá ou não economizar dependerá i) do salário específico do Posto , ii) do custo de vida local, iii) do câmbio entre a moeda local e o dólar, iv) do fato de ele ter ou não um ou mais filhos na escola e, principalmente, v) de sua propensão ao consumo. Aqui, não há regra geral. No Brasil, os salários têm sofrido um constante desgaste, especialmente em comparação com outras carreiras do Governo Federal, frequentemente obrigando o diplomata a economizar no exterior para gastar em Brasília, se quiser manter seu padrão de vida. Os diplomatas, enfim, levam uma vida de classe média alta, e a certeza de que não se ficará rico de verdade é compensada pela estabilidade do emprego (que não é de se desprezar, nos dias de hoje) e pela expectativa de que seus filhos (quando for o caso) terão uma boa educação, mesmo para padrões internacionais.
SAÚDE
Os diplomatas têm um seguro de saúde internacional que, como não poderia deixar de ser, tem vantagens e desvantagens. O lado bom é que ele cobre consultas com o médico de sua escolha, mesmo que seja um centro de excelência internacional. O lado ruim é que, na maioria das vezes, é preciso fazer o desembolso (até um teto determinado) para depois ser reembolsado, geralmente em 80% do valor, o que obriga o diplomata a manter uma reserva financeira de segurança.
FAMÍLIA : O CÔNJUGE
Eu mencionei, entre as coisas n~o t~o boas da carreira, “dificuldades no equacionamento da vida familiar”. A primeira dificuldade é o que fará o seu cônjuge (quando for o caso) quando vocês se mudarem para Brasília e, principalmente, quando forem para o exterior. Num mundo em que as famílias dependem, cada vez mais, de dois salários, equacionar a carreira do cônjuge é um problema recorrente. Ao contrário de certos países desenvolvidos, o Itamaraty não adota a política de empregar ou pagar salários a cônjuges de diplomatas. Na prática, cada um se vira como pode. Em alguns países é possível trabalhar. Fazer um mestrado ou doutorado é uma opção. Ter filhos é outra...
Mais uma vez, não há regra geral, e cada caso é um caso. O equacionamento da carreira do cônjuge costuma afetar principalmente – mas não apenas – as mulheres, já que, por motivos culturais, é mais comum o a mulher desistir de sua carreira para seguir o marido que o contrário2.
CASAMENTO ENTRE DIPLOMATAS
Os casamentos entre diplomatas não são raros. É uma situação que tem a vantagem de que ambos têm uma carreira e o casal tem dois salários. A desvantagem é a dificuldade adicional em conseguir que ambos sejam removidos para o mesmo Posto no exterior. A questão não é que o Ministério vá separar esses casais, mas que se pode levar mais tempo para conseguir duas vagas num mesmo Posto. Antigamente, eram frequentes os casos em que as mulheres interrompiam temporariamente suas carreiras para acompanhar os maridos. Hoje em dia, essa situação é exceção, não a regra.
FILHOS
Não posso falar com conhecimento de causa sobre filhos, mas vejo o quanto meus colegas se desdobram para dar-lhes uma boa educação. Uma questão central é a escolha da escola dos filhos, no Brasil e no exterior. No Brasil, a escola será normalmente brasileira, com ensino de idiomas, mas poderá ser a americana ou a francesa, que mantém o mesmo currículo e os mesmos períodos escolares em quase todo o mundo. No exterior, as escolas americana e francesa são as opções mais frequentes,
podendo-se optar por outras escolas locais, dependendo do idioma. Outra questão, já mencionada, é o custo da escola. Atualmente, não existe auxílio-educação para filhos de diplomatas ou de outros Servidores do Serviço Exterior brasileiro, e o dinheiro da escola deve sair do próprio bolso do servidor.
CÉSAR AUGUSTO VERMIGLIO BONAMIGO - Diplomata. Engenheiro Eletrônico formado pela UNICAMP. Pós- graduado em Administração de Empresas pela FGV-SP. Programa de Formação e Aperfeiçoamento - I (PROFA -
I) do Instituto Rio Branco, 2000/2002. No Ministério das Relações Exteriores, atuou no DIC - Divisão de Informação Comercial (DIC), 2002; no DNI - Departamento de Negociações Internacionais, 2003, e na DUEX - Divisão de União Europeia e Negociações Extrarregionais. Atualmente, serve na Missão junto à ONU (DELBRASONU), em NYC.
2 Conforme comunicado do MRE de 2010, é permitida a autorização para que diplomatas brasileiros solicitem passaporte diplomático ou de serviço e visto de permanência a companheiros do mesmo sexo. Outra resolução, de 2006, já permitia a inclusão de companheiros do mesmo sexo em planos de assistência médica.
Para tornar-se diplomata, é necessário ser aprovado no Concurso de Admissão à Carreira de Diplomata (CACD), que ocorre todos os anos, no primeiro semestre (normalmente). O número de vagas do CACD, em condições normais, depende da vacância de cargos. Acho que a quantidade normal deve girar entre 25 e 35, mais ou menos. Desde meados dos anos 2000, como consequência da aprovação de uma lei federal, o Ministério das Relações Exteriores (MRE/Itamaraty3) ampliou seus quadros da carreira de diplomata, e, de 2006 a 2010, foram oferecidas mais de cem vagas anuais. Com o fim dessa provisão de cargos, o número de vagas voltou ao normal em 2011, ano em que foram oferecidas apenas 26 vagas (duas delas reservadas a portadores de deficiência física4). Para os próximos concursos, há perspectivas de aprovação de um projeto de lei que possibilitará uma oferta anual prevista de 60 vagas para o CACD, além de ampliar, também, as vagas para Oficial de Chancelaria (PL 7579/2010). Oficial de Chancelaria, aproveitando que citei, é outro cargo (também de nível superior) do MRE, mas não integra o quadro diplomático. A remuneração do Oficial de Chancelaria, no Brasil, é inferior à de Terceiro-Secretário, mas os salários podem ser razoáveis quando no exterior. Já vi muitos casos de pessoas que passam no concurso de Oficial de Chancelaria e ficam trabalhando no MRE, até que consigam passar no CACD, quando (aí sim) tornam-se diplomatas.
Para fazer parte do corpo diplomático brasileiro, é necessário ser brasileiro nato, ter diploma válido de curso superior (caso a graduação tenha sido realizada em instituição estrangeira, cabe ao candidato providenciar a devida revalidação do diploma junto ao MEC) e ser aprovado no CACD (há, também, outros requisitos previstos no edital do concurso, como estar no gozo dos direitos políticos, estar em dia com as obrigações eleitorais, ter idade mínima de dezoito anos, apresentar aptidão física e mental para o exercício do cargo e, para os homens, estar em dia com as obrigações do Serviço Militar). Os aprovados entram para a carreira no cargo de Terceiro-Secretário (vide hierarquia na próxima seç~o, “Carreira e Salrios”). Os aprovados no CACD, entretanto, não iniciam a carreira trabalhando: há, inicialmente, o chamado Curso de Formação, que se passa no Instituto Rio Branco (IRBr). Por três semestres, os aprovados no CACD estudarão no IRBr, já recebendo o salário de Terceiro-Secretário (para remunerações, ver a próxima seç~o, “Hierarquia e Salrios).
O trabalho no Ministério começa apenas após um ou dois semestres do Curso de Formação no IRBr (isso pode variar de uma turma para outra), e a designação dos locais de trabalho (veja as subdivisões do MRE na página seguinte) é feita, via de regra, com base nas preferências individuais e na ordem de classificação dos alunos no Curso de Formação.
3 O nome “Itamaraty” vem do nome do antigo proprietrio da sede do Ministério no Rio de Janeiro, o Bar~o Itamaraty. Por metonímia, o nome pegou, e o Palácio do Itamaraty constitui, atualmente, uma dependência do MRE naquela cidade, abrigando um arquivo, uma mapoteca e a sede do Museu Histórico e Diplomático. Em Brasília, o Palácio Itamaraty, projetado por Oscar Niemeyer e inaugurado em 1970, é a atual sede do MRE. Frequentemente, “Itamaraty” é usado como sinônimo de Ministério das Relações Exteriores.
4 Todos os anos, há reserva de vagas para deficientes físicos. Se não houver número suficiente de portadores de deficiência que atendam às notas mínimas para aprovação na segunda e na terceira fases do concurso, que têm caráter eliminatório, a(s) vaga(s) restante(s) é(são) destinada(s) aos candidatos da concorrência geral.
O IRBr foi criado em 1945, em comemoração ao centenário de nascimento do Barão do Rio Branco, patrono da diplomacia brasileira. Como descrito na página do Instituto na internet, seus principais objetivos são:
harmonizar os conhecimentos adquiridos nos cursos universitários com a formação para a carreira diplomática (já que qualquer curso superior é válido para prestar o CACD);
desenvolver a compreensão dos elementos básicos da formulação e execução da política externa brasileira;
iniciar os alunos nas práticas e técnicas da carreira.
No Curso de Formação (cujo nome oficial é PROFA-I, Programa de Formação e Aperfeiçoamento - obs.: n~o sei o motivo do “I”, n~o existe “PROFA-II”), os diplomatas têm aulas obrigatórias de: Direito Internacional Público, Linguagem Diplomática, Teoria das Relações Internacionais, Economia, Política Externa Brasileira, História das Relações Internacionais, Leituras Brasileiras, Inglês, Francês e Espanhol. Há, ainda, diversas disciplinas optativas à escolha de cada um (como Chinês, Russo, Árabe, Tradução, Organizações Internacionais, OMC e Contenciosos, Políticas Públicas, Direito da Integração, Negociações Comerciais etc.). As aulas de disciplinas conceituais duram dois semestres. No terceiro semestre de Curso de Formação, só há aulas de disciplinas profissionalizantes. O trabalho no MRE começa, normalmente, no segundo ou no terceiro semestre do Curso de Formação (isso pode variar de uma turma para outra). É necessário rendimento mínimo de 60% no PROFA-I para aprovação (mas é praticamente impossível alguém conseguir tirar menos que isso). Após o término do PROFA-I, começa a vida de trabalho propriamente dito no MRE. Já ouvi um mito de pedida de dispensa do PROFA I para quem já é portador de título de mestre ou de doutor, mas, na prática, acho que isso não acontece mais.
Entre 2002 e 2010, foi possível fazer, paralelamente ao Curso de Formação, o mestrado em diplomacia (na prática, significava apenas uma matéria a mais). Em 2011, o mestrado em diplomacia no IRBr acabou.
Uma das atividades comuns dos estudantes do IRBr é a publicação da Juca, a revista anual dos alunos do Curso de Formação do Instituto. Segundo informações do site do IRBr, “[o] termo ‘Diplomacia e Humanidades’ define os temas de que trata a revista: diplomacia, ciências humanas, artes e cultura. A JUCA visa a mostrar a produção acadêmica, artística e intelectual dos alunos da academia diplomática brasileira, bem como a recuperar a memória da política externa e difundi-la nos meios diplomático e acadêmico”. Confira a página da Juca na internet, no endereço: http://juca.irbr.itamaraty.gov.bpt-bMain.xml.
Para saber mais sobre a vida de diplomata no Brasil e no exterior, sugiro a conhecida “FAQ do Godinho” (“FAQ do Candidato a Diplomata”, de Renato Domith Godinho), disponível para download no link: http://relunb.files.wordpress.com/2011/08/faq-do-godinho.docx. Esse arquivo foi escrito há alguns anos, então algumas coisas estão desatualizadas (com relação às modificações do concurso, especialmente). De todo modo, a parte sobre o trabalho do diplomata continua bem informativa e atual.
MEUS ESTUDOS PARA O CACD – http://relunb.wordpress.com
submitted by diplohora to brasilCACD [link] [comments]


2020.07.09 18:19 verystronkdoor Minha mãe está obrigando a família a tomar hidroxicloroquina como prevenção ao coronavírus

É isso aí mesmo, só queria desabafar. Eu ainda estou conseguindo fingir que tomo e colocando atrás da língua, depois jogando fora (ela faz eu e minhas duas irmãs engolir na frente dela). Só me preocupo bastante com meu pai (65+ anos) e possíveis efeitos colaterais, sendo que ele já tem histórico de hipertensão.
O bolsonarismo é uma seita e um câncer nesse país, e logo vai ser o motivo do meu desligamento completo com grande parte da minha família, assim que tiver condições de me sustentar sozinho.
submitted by verystronkdoor to brasil [link] [comments]


2020.06.25 08:07 ImLue O pior sentimento é o amor, porém ele também é o melhor

Você já se pegou bisbilhotando fotos de alguma pessoa no Facebook, whatsapp ou algo assim pra admirar a beleza? A beleza te fisgou muito?
Vc descobre que a pessoa tem um único ponto em comum com você, ela também gosta de ir a praia. Isso é o suficiente pra vc puxar um papo e falar sobre viagens, festas e tudo que o mundo pode dar. E de repente, vc está apaixonado e namorando com uma pessoa bonita e que gosta de praia, assim como vc gosta.
Vcs vão para a praia ao menos uma vez no mês, quando dá, um fim de semana sim e no outro não. Até que um dia ela diz que não quer ir para a praia.
Vc não entende de primeira e acaba se afastando, mas logo busca saber o porquê. Ela diz que simplesmente enjoou. Você então, se vê enganado, como um caranguejo preso num covo e se obriga a não gostar de praia, mas vc não sabe que está se obrigando, o amor mexe os fios e vc dança como uma marionete nas mãos dele.
Vc vive o resto da sua vida odiando a praia assim como ela, e nos últimos dias da sua vida, quando vc está bem velho, assim como ela, quando não vê mais a beleza nela, quando não transam mais e nem conseguem entender direito o que o outro fala por conta da idade, sente uma vontade enorme de ir a praia que tanto odiava e vc agora nem sabe ou nem lembra mais porquê.
E morre incompleto, tentando ser completo durante a vida toda, dependendo de um amor que vc mantinha tão fino, amando ela com poucos detalhes e pouca verdade, apenas engano.
Eu terminei um relacionamento faz alguns meses e sinto muito a falta dela. Terminei pq ela brigava muito por conta das nossas diferenças, mas mesmo depois de tantos meses eu sinto a falta dela e não sei dizer se realmente a amo, se nossas diferenças fazia o amor ser verdadeiro ou se estou sendo enganado pelo amor, que é um sentimento maligno, que te mata de felicidade e tristeza, no mesmo dia.
Obs.: Nunca fui à praia e odeio festas.
Edit: duas palavras
submitted by ImLue to desabafos [link] [comments]


2020.06.16 14:25 gnomoviajante A Tecnologia está fazendo nós nos matarmos aos poucos ?

Olá pessoal do sub, sou novo tanto no reddit quanto no sub. Recentemente tive uma dúvida e comecei a ler e queria indicação de filósofos que falaram do assunto, não desse assunto literalmente mas digo algo parecido que tenha relação.
A tecnologia está nos matando ? as vezes nos cobramos por coisas bobas por conta da tecnologia, como ter uma foto perfeita para postar no Instagram e isso levando a pessoas a loucura em busca do corpo perfeito, ou quando vemos uma pessoa teoricamente "bem sucedido" esbanjando carros e roupas caras, pessoas com 20 anos com a conta bancaria gigante enquanto a maioria dos reles mortais com seus 20 anos não conseguiram nem sair da casas dos pais ainda, isso de forma indireta causa uma cobrança, uma certa "melancolia" no nosso subconsciente.
Não é exatamente a tecnologia que está nos matando já que a culpa disso não é do celular que está te obrigando a ver isso ou algo do tipo, mas acho que esse nome seria mais chamativo.
Se puderem me recomendar obras de alguns filósofos relacionados a essa certa auto cobrança agradeço, iniciei agora no estudo de filosofia por conta própria mesmo por se tratar de um assunto que sempre achei interessante mas nunca tinha parado pra estudar.
submitted by gnomoviajante to Filosofia [link] [comments]


2020.05.10 06:26 ZunyBibudo Proibir o sexo pra evitar a disseminação do HIV.

Observando os vários 'estudos estudiosos' dos novos semi-deuses-experts-superpoderosos da lacrosfera atual (also Átila, Greta e afins), cheguei a conclusão de levantar esse questionamento: se o lockdown é a única solução pra evitar que o COVID-19 infecte mais pessoas fazendo com que o vírus morra nas pessoas que já estão infectadas até agora (ou junto com elas), então seria completamente entendível proibir as pessoas de transarem para protegê-las do HIV, não acham?
Por quê?! OS estudiosos semi-deuses-experts-superpoderosos disseram que o vírus não sobrevive no ambiente externo por mais de 5 dias (eu acho, tô chutando, mas deve ser isso mesmo! Os nossos semideuses consideraram uma quarentena de 7 meses (até o final do ano) porque já previram que muitas pessoas seriam estúpidas o suficiente pra continuarem trabalhando durante a quarentena e, deste modo, os 5 dias necessários para matar o vírus não seriam suficientes. Acarretando, assim, num aumento da quarentena sem o lockdown.
Deste modo, se é possível proteger a população do COVID-19 com um lockdown e, além de tudo, obrigando-as a ficarem trancafiadas dentro de suas casas sob ameaça de prisão e multas, por que não impedir que as pessoas façam sexo pra fazer com que o HIV seja extinto??? Uma vez que, por mais que tenhamos preservativos e o coquetel que trata a AIDS, ainda assim, o vírus continua a viver no nosso país! O que é um completo absurdo.
Aí você irá me perguntar agora: "—Mas não é só no sexo que se transmite o HIV, seu incel do caralho!" E eu te respondo: você está com toda razão meu caro! E é por isso que eu quero sugerir também a prisão perpétua de todas as pessoas que já são portadoras do vírus HIV!!! Assim extinguiria-se a transmissão do vírus por compartilhamento de seringas e agulhas por usuários de drogas, por exemplo.
EXATAMENTE! Com a prisão perpétua dos atualmente soros positivos, toda a população brasileira poderá ser protegida depois da época do "celibato voluntário auto-imposto", que poderia ser de 6 meses assim como os nossos semideuses da ciência previram para o COVID-19. Assim poderíamos viver em paz, sem mais mortes e sem mais tristezas. :)
"—Como impedir que as pessoas transem nas suas casas?" Você pergunta. Simples: a tecnologia 5G pode nos ajudar quanto a isso!O 5G foi inicialmente inventado como uma espécie de "raio x", que serve para mapear terrenos e construções.
Exatamente! Com o novo 5G poderíamos adentrar nas casas das pessoas e saber, por assinaturas de calor ou de som, se elas estão praticando o ato coito ou não. Se detectado que estão copulando, policiais seriam chamados e prenderiam os violadores da "quarentena lockdown de sexo!" Não é G-E-N-I-A-L????
Se você discordar, você é fascista!
submitted by ZunyBibudo to brasilivre [link] [comments]


2020.05.05 14:42 Ross_Phd Meu casamento está marcado para novembro. Como lidar com possíveis adiamentos?

Bom dia.
Meu casamento está marcado para Novembro, mas eu e minha noiva estamos nos preparando para um cenário onde isso não será possível devido ao COVID-19.
A maioria dos contratos que fechamos com os fornecedores cita pagamento de multa, de até 50%, por mudança de data. Exemplo de um contrato que está bem direto nesse sentido:
Clausula 5ª - Em caso de alteração da data, o contratante sofrera alterações de valores de 50% ( Cinquenta por cento) total do contrato.
Outro contrato, com outra linguagem:
Cláusula 6ª - Em caso de rescisão deste contrato, sobre a parte que o fizer, incidirá uma multa de 30% (trinta por cento) do valor do cachê conforme Cláusula 4, obrigando o ressarcimento do valor que por ventura a CONTRATANTE já tenha pago a CONTRATADA.
Cláusula 7ª - Fica facultado às partes o cancelamento do presente contrato com até 30 dias de antecedência do evento mediante notificação por escrito. Caso o cancelamento venha a ocorrer por qualquer das partes, após esta data limite, arcará o mesmo com o equivalente a 100% do valor deste contrato, como forma de ressarcimento e indenização. Parágrafo 1 - (cancelamentos não previstos porém válidos neste contrato sem a obrigação da multa ou devolução de pagamento conforme Cláusula 6 e 7)
a) Em caso de envolvimento em acidente rodoviário durante o percurso até o local do evento e que venha a impedir o cumprimento contratual, a CONTRATADA ressarcirá 50 % do valor já recebido a CONTRATANTE se o valor recebido for maior que 50 % do valor do contrato.
b) Em caso fortuito ou força maior que venha impedir a locomoção da CONTRATADA no dia do evento conforme Cláusula 1, motivos esses compreendidos por tempestades, inundações, etc... ou qualquer outro fato ocasionado pela natureza.
c) Em caso de falecimento de qualquer músico e ou pessoa da equipe da CONTRATADA que venha a comprometer o cumprimento do contrato.
Estou preocupado pois não podemos prever se precisaremos de adiamento ou não, mas já estamos trabalhando essa forte possibilidade. Não falei com nenhum fornecedor ainda sobre um possível adiamento. A minha principal dúvida é se o COVID-19 é um motivo forte para evitar o pagamento da multa, ou qual tipo de alavancagem eu tenho para negociar uma modificação de data respeitando esses contratos de uma forma que não prejudique o fornecedor e não me faça pagar mais do que o planejado.
Obrigado desde já :)
submitted by Ross_Phd to ConselhosLegais [link] [comments]


2020.04.27 07:19 Error_Wolf47 Meu cachorro agora está acorrentado

Olá, tudo bem com você? Espero que sim, caso não esteja desejo que melhore! Bem... Não faço idéia de como começar... Esses dias, na verdade há um mês, eu tinha ganhado um novo filhote de cachorro, um pastor branco bem fofo, e eu gostei muito porque eu gosto de cachorros e gosto de filhotes também, então o que poderia ser ruim? Há um tempo, especificamente ontem, meio que aconteceu um episódio... Era um dia normal na nossa nova casa, eu estava ajudando a arrumar algumas coisas do armário e meu pai fala comigo: "Você colocou comida e água para os cachorros e prendeu o Simba?" Eu respondi que não havia ouvido ele dar essa ordem, já que provavelmente o barulho do motor ou simplesmente a falta de atenção me impediram de escuta-lo. Tudo bem até aí, eu iria realizar essas ações que meu pai havia pedido mas, deixa eu dar um pouco de contexto: a gente começou a se mudar faz alguns dias para uma nova casa que meu pai estava construindo no interior e, assim que terminamos de colocar todas as nossas coisas ele trouxe nossos cachorros, obviamente. Acontece que, esse meu novo cachorro, diferente dos outros dois ele aprendeu sozinho a caçar os pintinhos das galinhas que meu pai cuidava, cujo começou a incomodar meu pai. Ele transferiu as galinhas e, agora na mudança trouxe os cachorros. Tudo tranquilo até ontem, que pela manhã após ser solto para passear um pouco, esse meu cachorro atacou e matou um dos pintinhos da galinha, que deixou meu pai mais irritado. Ele foi preso por alguns minutos na corrente por conta disso, apenas por prevenção, mas depois foi solto normalmente. Essa era apenas a segunda vez que ele foi preso, e assim como a outra não durou nem uma hora. Voltando ao horário que estava comentando, como em um episódio cômico de uma série, logo após meu pai falar: "Prenda ele antes que ele mate mais algum pintinho" Simba apareceu na varanda com um pintinho na sua boca, ainda vivo, porém aquilo foi a gota d'água para meu pai. Ele saiu correndo e puxou o cachorro pelo pescoço o obrigando a soltar o filhote da galinha e começou a espanca-lo desenfreadamente. Após sérios golpes na cabeça e nas costelas ele veio correndo para dentro de casa, urinando de medo, e se escondeu debaixo da mesa. Meu pai pegou ele mais uma vez e jogou ele para a varanda, que tem quase um metro de diferença de altura, e prendeu o cachorro de uma vez por todas. Meu pai veio e gritou comigo que era para eu ter prendido ele quando ele mandou e ficou o resto do dia sem deixar uma oportunidade para me humilhar. Apesar desse não ser o primeiro episódio, é a primeira vez que o Simba está preso na corrente e, desde tarde até agora de madrugada continua chorando e gemendo — por conta das lesões e de seu estado que já estava de breve desnutrição — , provavelmente por causa de algum parasita, apenas cessou agora, duas horas horas da manhã, para dormir. Estou me sentindo extremamente mal, nada disso teria acontecido se eu tivesse prendido ele na corrente de manhã, ou até mesmo impedido de deixar ele brincar de morder minhas mãos como brincadeira quando ele tinha poucas semanas. Estou realmente muito preocupado com ele. Há alguns anos, meu antigo cachorro, um mestiço de vira-lata com Yorkshire que tinha desde a minha infância, na qual chamei-o de Max, fez basicamente a mesma coisa, só que bem no começo da criação do meu pai, quando ele ainda tinha pouquíssimos pintinhos que eram chocados em uma chocadeira artificial. Depois de vários ataques meu pai decidiu em uma tarde executá-lo, e apenas dizer: "Talvez o Max fugiu de novo". Eu realmente fiquei triste quando eu soube que ele matou meu cachorro que eu cresci junto com ele e mentiu pra nim. Sério, nunca pensei que estaria tão preocupado e emotivo por um ser irracional. Acho que ele está "pegando mais leve" apenas porque o Simba é de raça pura, e ele poderia vendê-lo ou exibir para os outros depois. Sinceramente, que se dane a mim, queria que eu tivesse sido espancado no lugar dele, ele é apenas um ser irracional que não compreende logicamente as coisas. Isso é tudo culpa minha, eu sempre fui inútil, incapaz e idiota, nada o que eu faço ou tento fazer dá certo. A minha vontade agora é apenas de sumir. Quero pegar minhas coisas, levar minhas coisas e ir para bem longe, apenas para ficar ouvindo minha playlist em paz, acariciando meus cachorros, dizendo que vai ficar tudo bem. Obrigado por sua atenção, tenha um ótimo dia!
submitted by Error_Wolf47 to desabafos [link] [comments]


2020.04.13 01:04 lpbms11 Empresas de telecomunicações e a minha solução. Alguém?

Contextualização:
Sou cliente da vodafone tv há 6 anos (3 contratos seguidos de 2 anos de fidelização). No primeiro contrato paguei 24,99. No segundo 26,99. No terceiro 28,99. Agora já me querem oferecer 31,99 pelo mesmo serviço, com a desculpa que duplicam a velocidade da internet, quando para a MINHA utilização a velocidade que tenho atualmente serve perfeitamente. Não tenho nenhuma lan-party em casa, ligo a PS4 para jogar online aqui e acolá e nunca tive lag. Não existe sequer possibilidade de ficar como está, eles é que decidem. Eu entendo a coisa da inflação e afins mas não percebo como é que nos aumentam a mensalidade cada "atualização" obrigando-nos a ter serviços que não queremos nem fazem falta.
Assim, que estou a pensar adquirir um serviço só de internet, por volta de 26,99€ 100mb de velocidade. Qual o principal problema? Tanto eu como a minha namorada adoramos ver televisão. Então estou a pensar fazer o seguinte: Adquiro uma Mi Box S, Android, por cerca de 60€, e depois, como tenho pessoas da minha família com serviços NOS e Nowo, posso instalar essas apps na box android e utilizar como se tivesse o serviço, pela internet. Para além de existir a possibilidade de encontrar um bom serviço de IPTV. A minha questão é se alguém utiliza este tipo de artimanha, se funciona bem ou não etc. Se souberem também outras opções agradeço.
Eu sei que a poupança não seria nada de extraordinário, mas não me conformo com esta impunidade das empresas de telecomunicações que inventam serviços que não interessam para aumentar preços e prolongar fidelizações.
Qualquer feedback será apreciado.
submitted by lpbms11 to portugal [link] [comments]


2020.04.01 21:40 IAmAProShitPoster Bolsonaro obrigou alguém alguma coisa? Ou os panelaços são só pelos discursos?

To meio desinformado desse negócio de política(prioridades). Não to entendendo porque tão chamando ele de genocida... ele mandou matar alguém ou está obrigando alguém a se matar?
O que eu entendi é que tem governadores de estados de fato prendendo as pessoas em casa, ferindo a liberdade individual, e o bolsonaro só criticou essas atitudes. Confere?
Edit: bati meu personal best de speedrun de downvote, 2 minutos... caramba
submitted by IAmAProShitPoster to brasilivre [link] [comments]


2020.03.30 16:49 UchihaLeafar Meu lado bom da quarentena

Sei que estamos vivendo tempos obscuros com tudo o que vem acontecendo no mundo, principalmente por conta desse COVID-19. Essa quarentena “obrigando-nos” a ficar em casa sem poder trabalhar ou até mesmo para sair e se distrair tem gerado um desconformo em todas as pessoas.
Estou em casa com minha esposa (gestante de 5 meses) e filho(4 anos de idade) cumprindo tudo bem rigorosamente, exceto quando o Home Office não funciona(trabalho em suporte de T.I.), ai não tem como, afinal, usuários são usuários hahaha.
Enfim, apesar de todos esses problemas, olhando o lado bom(sim, existe), meu filho tem aproveitado muito. Percebo o quão grande é a alegria dele em ficar com nós em casa o dia todo. É o tempo todo: o papai, vamos brincar?; o papai, vamos correr?; o papai, vamos jogar futebol?; o papai, vamos desenhar?; o papai, vamos comer? ... e por aí vai.
Ele não tem dimensão do que estamos enfrentando, apesar de saber que estamos todos em casa por conta do vírus, mas tenho certeza que para ele, está sendo um dos melhores períodos de sua vida. Estou me esgotando de dar atenção e brincar com ele, e tenho certeza que quando tudo isso passar, não será apenas ele que sentirá saudade desses dias de brincadeiras...

Tudo ficará bem
Um abraço a todos e cuidem-se =)
submitted by UchihaLeafar to desabafos [link] [comments]


2020.03.25 20:41 Upa-upa-puxadote Arrufos em Alto-mar

A sereia atonou até à cinta, de rompante. Com os punhos amuados, maltratou a frol das ondas, chapinhando com veemência. Uma vaga mais forte encapelou-se, mas a sereia, graciosa e lesta, esgueirou-se ao arrastão. Desenvolta, sacudiu os cabelos cerúleos, que chibataram o ar, com um rasto de respingos salgados. Então gorjeou para o navio, para que o Corta-línguas traduzisse.
«Então?» instou o fidalgo, debruçado sobre a amurada, rabeando os olhos entre a sereia e o Corta-línguas «Qual é a resposta dela?»
Engoliu em seco. Já tinha os cantos da boca inchados e vermelhos, com boqueiras. Suspirou e, num tugido, acanhado e cabisbaixo, explicou:
«Ela recusa, senhor. Diz que não quer…»
«Mas explicaste-lhe que a amo? Disseste-lhe que não suporto a ideia de viver sem ela? Que a quero desposar, a ela e a mais ninguém?» teimou o fidalgo, tomando o Corta-línguas pelos colarinhos à força e obrigando-o a arrostá-lo de perto.
«Sim, meu amo», afiançou fitando-o, amedrontado.
«E ela quê?»
«Não quer…» encolheu os ombros, esmorecendo-lhe a voz.
«Diz-lhe outra vez, caramba!» exaltou-se o jovem nobre, arrojando-o contra a amurada da embarcação.
O Corta-línguas expirou fundo. Procurou recompor-se, como pôde. Deitou dois dedos aos cantos dos lábios, esbeiçou, e soltou um trinado. Esmerou-se por encontrar as palavras certas, os tons mais adequados para veicular os votos de amor do nobre.
A sereia, porém, atalhou-lhe a cantiga. Chapou as águas com a cauda.
«♫ Escusas de traduzir… Já sei o que é. Está a dizer que me ama, outra vez, não é? Põe-se sempre com olhinhos de carneirinho mal-morto, quando diz que me ama…♫» bufou a sereia, cruzando os braços e deitando-se de lado sobre as águas que, entretanto, haviam serenado. Apartou os cabelos da frente dos olhos e relanceou para Duque, sondando-o. «♫ Ele aceitou, ao menos?» Inquiriu a mulher-peixe.
«♬ Hã… não… nem por isso ♬»
«♫Olha, temos pena ♫», resmungou. Sem meias-medidas, deu um salto de golfinho à rectaguarda, e embrenhou-se nas profundezas, com um chapão aparatoso, cortando abruptamente com a conversa.
«Então, ela que respondeu?» tornou o Duque.
«Que é uma pena»
« "uma pena”? Como assim “uma pena”?»
«Diria que vos estava a rejeitar, meu senhor»
«Como dizes?» atroou o fidalgo, o sobrolho içado de indignação «A mim? Rejeitar-me, a mim?» recachou, deitando uma mão ao peito com afectada teatralidade. Depois, como se a ideia se lhe afigurasse um absurdo ridículo, bufou uma gargalhada abafada. «Qual quê! Foste tu!» rematou, empurrando o Corta-línguas contra a amurada. «Seu burgesso», tornando a tomar o intérprete pelos colarinhos «Foste tu que a insultaste, de certeza. Foi alguma cadelice que lhe disseste. Foi a ti que ela rejeitou!». Agarrou o Corta-línguas pelo cachaço e, numa guinada, voltou-o e debruçou-o sobre a amurada, pronto a larga-lo borda fora.
«Fica sabendo, há anos que a namoro. Anos.» frisou «E nunca me rejeitou. Nunca me dirigiu, se não sorrisos e meneios».
«Perdão, senhor. Mil perdões… tenha piedade» o Corta-línguas desdobrava-se em desculpas. A fola das ondas cada vez mais próxima, abafava-lhe a voz.
«Meu amo» interrompeu o Capitão da embarcação
«Sim?!» respostou, sem se dignar a encará-lo «Estou ocupado» acrescentou, entredentes, esboçando um sorriso de fera.
«Os homens da chusma têm fateixas e redes. Com a Sua vénia, facilmente a apanhamos» informou, secamente
O Duque largou o Corta-línguas. E pôs-se a congeminar.
O Corta-línguas apeou-se. Afastou-se da amurada e, ainda ofegante do susto, advertiu o fidalgo impetuoso, munido de uma coragem que desconhecia possuir
«Se o fizerdes, meu amo, ela nunca vos perdoará. Nenhuma mulher, nem as que são meio-peixe, se quer ver cativa. Guardar-vos-á rancor.» os olhos do fidalgo relancearam para o Corta-línguas, as pupilas trémulas. «As sereias cativas acabam por morrer subitamente, senhor. É sabido. Desfalecem, vítimas de banzo do mar e melancolia do cárcere. Não o façais. Crede-me.» asseverou o Corta-línguas.
«Amo-a» repetiu o fidalgo «Quero-a por esposa. Mas quero-a com pernas, não com rabo de peixe. E é possível» expendeu, deitando a mão ao interior do jaqueta de onde sacou uma garrafa de vidro da boémia «com este elixir- garantiram-mo, com certeza absoluta- ela há-de perder o rabo de peixe e ganhar pernas. Sofridamente, é certo.», reconheceu «Mas tão-só por três dias, nada de mais… depois já a poderei apresentar a meus pais» tentou obtemperar, ainda.
«Chama por ela, Corta-línguas» rogou o nobre, já de olhos marejados «Por favor…».
«Por duas vezes lhe expliquei os seus planos, meu amo. Mas ela não acede.» encolheu os ombros «Aliás, ela pretende que Vossa Mercê se junte a ela, nas profundezas marinhas. Diz que conhece uma bruxa do mar, capaz de vos transformar as pernas numa bela cauda de peixe. Sem quaisquer dores ou padecimentos…» relatou.
«Essa é que era boa! Eu? De rabo de peixe? Era o que faltava… olha que esta…» desdenhou o jovem. «Anda lá, chama por ela outra vez, Corta-línguas… à terceira é que é de vez…» ordenou, enxotando-o com adamanes, para ao pé da amurada.
Resignado, o Corta-línguas pegou no búzio e quando se preparava para tornar a cornetar, reparou que a sereia continuava por perto, observando o navio, debaixo de água. Assim que o viu de búzio nas mãos, subiu à superfície. Ansiosa, trissou:
«♬ E então? Já ganhou juízo, o meu príncipe? ♬»
«♫Tem dó, filha do Mar. Ao meu senhor não basta ter uma cauda de peixe. Ele não consegue respirar debaixo de água. Tu bem que podes respirar dentro e fora dela, mas ele não! ♫» pleiteou o tradutor.
«♫ Já sabia… Eu já sabia» barafustou a sereia «Vem sempre com desculpas… Sempre… não é capaz de fazer um sacrificiozinho que seja. Não!» rematou, amuada.
Mas antes que o intérprete pudesse dizer fosse o que fosse, a mulher-peixe voltou-se para o encarar «♫ Quando se ama uma pessoa faz-se sacrifícios por ela. Quantas vezes não me esfolei sentada, em escolhos e rochedos, para nos encontrarmos? Quantas vezes não ressequei ao sol? Constipei-me noites sem-fim, à custa dele… E ele não é capaz de se livrar daqueles penduricalhos horrorosos, por mim?» cruza os braços, abespinhada. «♫ Diz… diz-lhe que não posso ser sempre eu a ceder. Ele também tem de fazer sacrifícios, se quer levar esta relação avante ♫» pediu a sereia
«♫Menina das ondas… tem dó… ele não é capaz de respirar debaixo de água» tornou
«♫ Chega! Estou farta de desculpas parvas. Eu… eu também gosto dele… eu quero ter os alevins dele, mas como é que vou fazer isso se ele não pode ir à desova? Vou pôr as minhas ovas onde? Na boina dele?»
«Corta-línguas, então? Ela aceita?» intrometeu-se o Duque, impaciente.
«Está a recalcitrar, senhor. Ela está… está mesmo enfadada consigo»
«Às coas!» gritou o Duque, voltando-se para os marujos «Não ficai aí especados, às coas! Já disse.» ordenou, apontando para as redes. «Ai ela está com coisas? Vou enfiá-la num tanque por um mês, a ver se ela não muda já de ideias…»
Os marujos ficaram quedos. Sem saber o que fazer. «Capitão, que se passa com a chusma? Engajaste uma pandilha de moucos?»
«Meu senhor, a chusma recusa-se a apanhar a sereia. São gente simples, sabe… cheia de superstições e abusões de marinheiro…. Macaquinhos no sótão, sem pés nem cabeça, é certo… Mas, estão convencidos de que se apanharem a sereia vão enfurecer os mares…»
«Enfurecer os mares?»
«Sim, excelência, o grosso da chusma são pescadores e eles temem que o povo do mar se revolte contra eles se se souber que eles andam a raptar sereias…»
«Cambada…» vociferou o príncipe «Fica sabendo, quando atracarmos vou mandar-vos açoitar. A todos. Ides encher-vos de tantos vergões que até as camisas na pele vos hão-de doer» ameaçou
«Por favor…» o Corta-línguas pediu silêncio «Ela está a dizer qualquer coisa»
«♫ Já me chega» resmoneou a sereia «Vou-me embora. Dragomano, diz ao meu príncipe que se decida de uma vez.» inquieta.
De seguida, acrescentou ainda «E diz-lhe que eu sou uma sereia séria. Não vou andar com ele por aí, feito estrela-do-mar de quatro braços. Se só ele quer andar por aí na marmelada nos areais, há outras sereias sirigaitas, que de certeza que não se hão-de importar.»
«♫ filha do Mar… por favor...»
«♫ Ei! Ainda não acabei. Sou uma sereia adulta, casadoira, preparada para desovar. Se ele, deveras, me ama, então que arranje uma cauda de peixe e guelras, como um tritão normal. Caso contrário, já não quero saber dele para nada. Conta-lhe.» intimou
O Corta-línguas reproduziu o ultimato da sereia o melhor que pôde.
«Ah, insolente!» Barafustou o Duque «Olha, diz-lhe que vá bacalhoar, então» e virou costas
«♫ Ele que respondeu?»
«♫ Não quer a cauda» encolheu os ombros o tradutor
«♫ Ai é?... polvos o fodam» e submergiu, com um chapo violento
submitted by Upa-upa-puxadote to escrita [link] [comments]


2020.03.19 18:40 inconvenientdoubt A mídia deveria falar também dos números ESTIMADOS de infectados, em vez de apenas casos testados e suspeitos?

A meu ver, esses números tanto de testados, como de suspeitos, são baixos demais e não dão a dimensão do assassino invisível ao redor.
Salman Khan tem um vídeo sobre estimativa de total de casos a partir de mortes, acho que é também abordado num dos vídeos de Átila Iamarino:
Estimating actual COVID 19 cases (novel corona virus infections) in an area based on deaths
O número é surpreendemente elevado, algo como, uma morte significando algo em torno de 1600 casos ao redor, se proliferando, dobrando em alguns dias. Isso está longe de ser algo intuitivo, talvez as pessoas mais versadas em epidemiologia esqueçam o que é ser leigo e a falta de noção do que os números realmente significam.

(OT: Eu coloco o "flair", "aplico", clico em post, mas a interface diz que não fiz isso, acaba me obrigando a voltar, mudar o flair, e então colocar o flair intencionado. Isso acontece com mais alguém?)
submitted by inconvenientdoubt to coronabr [link] [comments]


2020.03.02 01:28 ryanbimo Estou começando a odiar meu irmão mais novo

Minha mãe está me obrigando a olhar ele das 17 até as 23 horas, nesse tempo eu não como, não durmo, tenho q tomar banho meia noite por causa dele não descanso, pq ele não para, não sabe falar, quebra as coisas, não obedece.
Isso ta me fazendo mto mal, mto mal mesmo, ficar correndo pra la e pra cá atrás de criança. Ele sobe no forno, eu pego ele, ai ele corre pra pegar minhas coisas, vou la, ele pega as panelas.
É todo dia assim, não é só uma vez ou outra, as 6 horas são assim.
Ja se vão 1 semana assim e eu to esgotado, isso tá acabando cmg mais q a escola, acordo com tontura e dores de cabeça, a tarde toda minha cabeça doi.
Não aguento mais.
submitted by ryanbimo to desabafos [link] [comments]


2020.03.01 22:39 NinetyNineNinetenn O que vocês acham de obrigar um adolescente a ler a Bíblia ?

Recentemente meu pai vem me obrigando a ler a Bíblia, ele literalmente me monitora para que eu leia ao menos um versículo, acho que ele está fazendo isso por que recentemente eu discuti com ele sobre ateísmo e sobre homossexualidade e então ele está me forçando a ler a Bíblia pra "limpar" a minha mente. Enfim o que vocês do Reddit acham sobre as atitudes do meu pai ? Ele está correto ?
submitted by NinetyNineNinetenn to brasil [link] [comments]


2020.02.20 19:59 Carrasco_Santo [Change my mind bolhudos] A esquerda deveria estar apoiando o programa de abstinência sexual do governo

Uma das causas que a esquerda hoje ama defender é o fim do machismo. Inclusive o chamado "machismo reverso", que é quando o homem sofre, por algum motivo, do próprio machismo da sociedade.
O ponto aqui é o seguinte: na sociedade ocidental, em geral, a mulher sempre foi vista como tendo um dever de ser casta, já os homens não, tem que ser fudedores, por isto mulher galinha não pega bem pra mulher e homem garanhão é massa pros machos.
Antigamente era comum um pai levar seu filho antes de completar 18 anos a um puteiro pra iniciar sua vida sexual, afinal os homens tem que ser os comedores e o filho deste pai tem que ser o machão, mostrar que virou homem. O pai que não fizesse isto com o filho era mal visto por outros homens, tanto o pai como o filho.
Atualmente se um garoto não fizer sexo antes dos 18 anos (preferencialmente o mais cedo possível) ou até mesmo dar seu primeiro beijo, sei lá, com 12 anos, é considerado um perdedor, uma bichinha, uma mulherzinha, não é homem.
E é essa visão de que o homem tem que ser um fudedor desde cedo que colabora para que muitos vejam as mulheres como meros objetos sexuais, piorando as estatísticas de femicídios por aí a fora e machismo de modo geral.
Lembrando que a campanha do governo não está obrigando ninguém a praticar a abstinência sexual, mas esclarecer que há esta opção e a pessoa, absolutamente, não deve se sentir constrangida por isto se escolher esta opção. Que um cara não deve se sentir "menos homem" pelo fato de optar fazer sexo em momento apropriado (seja com uma namorada ou só no casamento) e que não é certo ninguém ficar o oprimindo por isto e o pressionando para ter sua experimentação antes do tempo, se assim o considerar.
submitted by Carrasco_Santo to brasilivre [link] [comments]